Reabilitação em disfagia orofaríngea neurogênica: sabor azedo e temperatura fria

Cola, Paula Cristina; Gatto, Ana Rita; Silva, Roberta Gonçalves da; Schelp, Arthur Oscar; Henry, Maria Aparecida Coelho de Arruda
Rev. CEFAC 10(2): 200-205, ND. 2008

RESUMO

TEMA: reabilitação em disfagia orofaríngea neurogênica
OBJETIVO:
apresentar revisão de literatura sobre os controles neurofisiológicos da deglutição orofaríngea e a influência do sabor azedo e da temperatura fria no mecanismo da deglutição.
CONCLUSÃO: quanto à questão do controle central da deglutição, ainda existem controvérsias em relação ao sabor azedo e a temperatura fria. Esses dois parâmetros provocam mudanças na dinâmica da deglutição, podendo trazer benefícios aos indivíduos acometidos por disfagia orofaríngea neurogênica. Porém, tais achados sugerem a necessidade de investigações futuras com populações randomizadas.
Descritores: Transtornos de Deglutição; Reabilitação; Acidente Cerebral Vascular

LEIA O ARTIGO NA ÍNTEGRA

About these ads

Um pensamento sobre “Reabilitação em disfagia orofaríngea neurogênica: sabor azedo e temperatura fria

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s