Controle da pressão do cuff na unidade terapia intensiva: efeitos do treinamento.

Renata de Martin Penitenti, et al.

Rev. bras. ter. intensiva [online]. 2010, vol.22, n.2, pp. 192-195.

OBJETIVOS: A pressão do cuff é transmitida de forma direta na parede da traquéia e isto pode ocasionar lesões. O objetivo deste trabalho foi verificar a eficácia de um treinamento com a equipe de enfermagem no controle da pressão do cuff. MÉTODOS: Foi realizado um levantamento retrospectivo das mensurações da pressão de cuff de janeiro de 2007 a junho de 2008, verificando-se o percentual de inadequação. Posteriormente, foi elaborado um programa de treinamento da equipe de enfermagem durante o mês de Junho 2008 em todos os três turnos de trabalho. Após o encerramento dessa fase de treinamento, o percentual de adequação na pressão de cuff foi verificado prospectivamente durante os meses de Julho a Dezembro. Foi comparado o percentual de inadequação da pressão do cuff entre os turnos de trabalho (matutino, vespertino e noturno) e entre os períodos pré-treinamento e pós-treinamento pelo teste qualitativo de qui-quadrado, considerando-se como significativa diferença acima de 5% (p<0,05). RESULTADOS: No período pré-treinamento as medidas inadequadas das pressões do cuff (acima de 30cmH2O) nos períodos matutino, vespertino e noturno foram respectivamente 9,2; 11,9 e 13,7%. Após o treinamento foi verificada inadequação de 7,6; 4,1 e 5,2%, nos mesmos períodos, observando-se diminuição significativa no tocante aos períodos vespertino e noturno pré e pós (p<0,001). CONCLUSÃO: O treinamento realizado com a equipe de enfermagem demonstrou-se efetivo na conscientização dos malefícios da pressão do cuff inadequada, acarretando na utilização de níveis de pressão mais seguros nos pacientes.

Palavras-chave : Determinação da pressão arterial [métodos]; Intubação intratraqueal; Traqueostomia; Capacitação em serviço; Equipe de enfermagem.

LEIA O ARTIGO NA ÍNTEGRA

Anúncios
Este post foi publicado em Intensive Care em por .

Sobre Graziela Chamarelli Bougo

Fonoaudióloga do Hospital Risoleta Tolentino Neves Graduada em Fonoaudiologia pela Universidade Estadual do Centro-Oeste-PR Aprimoramento em Fonoaudiologia Hospitalar pelo Hospital de Base da Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto (FAMERP/SP) Residência em Fonoaudiologia na área de ênfase de Urgência, Emergência e Terapia Intensiva do Hospital Municipal Odilon Behrens de Belo Horizonte (BH/MG)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s