Avaliação e intervenção fonoaudiológica na doença de Parkinson: Análise clínica-epidemiológica de 32 pacientes

Simone Palermo, Izabel Cristina Constantino Bastos, Maria Filomena Xavier Mendes, Eloiza Fernandes Tavares, Débora Cristine Lopes dos Santos, Aline Fernandes da C. Ribeiro

Rev Bras Neurol, 45 (4): 17-24, 2009

Resumo
A doença de Parkinson é caracterizada por distúrbios do movimento que pode levar ao comprometimento da  articulação, da voz e da deglutição em alguma fase da doença.  O objetivo deste trabalho é traçar o perfil clínico epidemiológico de 32 pacientes no período de 2007/2008, mostrar a avaliação fonoaudiológica utilizada no Setor de Fonoaudiologia do INDC/UFRJ, apresentar técnicas fonoaudiológicas tradicionais aos profissionais da área da  fonoaudiologia que desejam atuar na doença, para possibilitar a intervenção adequada dos distúrbios da comunicação e deglutição de pacientes com doença de Parkinson. Foram selecionados 32 pacientes do Ambulatório de Distúrbios do Movimento do INDC/UFRJ com diagnóstico de doença de Parkinson, avaliados segundo a escala Hoehn & Yahr (estágio II), com queixas relativas à articulação da palavra, da fonação e da deglutição e encaminhados ao setor de  fonoaudiologia para a devida avaliação. Foi aplicado mensalmente, em todos os pacientes, o exame do tempo máximo fonatório (TMF) por um período de 1 ano, avaliando coaptação de pregas vocais, dinâmica respiratória, equilíbrio da força aerodinâmica e mioelástica da laringe. Entre os pacientes detectou-se: sexo masculino (24/75%), feminino (8/25%), brancos (15/47%), pardos (14/44%), negros (3/9%), média de idade no início da doença de 55 anos e na avaliação fonoaudiológica de 75 anos, iniciando com tremor em mãos (24/75%), voz rouca (26/81%), disartria (23/72%), disfagia (11/34%), reflexos protetivos presentes: tosse (31/96%), pigarreio (32/100%), anosmia (30/
93%), hiposmia (2/7%). No tempo máximo fonatório, o maior percentual de alteração foi em eficiência glótica (31/96%) e o menor na hipercontração das pregas vocais (4/12%). A aplicação de técnicas fonoaudiológicas relativas aos  distúrbios da comunicação e da deglutição do paciente com doença de Parkinson no Setor de Fonoaudiologia do INDC/UFRJ, vem sendo importante para a formulação de protocolos que permitam a avaliação e intervenção fonoaudiológicas adequadas, assim como sucessivas pesquisas nesta área visando promover melhor qualidade de vida ao paciente.

Palavras-chave: fonoaudiologia, terapia da palavra, doença de Parkinson

LEIA O ARTIGO NA ÍNTEGRA

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s