Frequência e fatores associado à disfagia após acidente vascular cerebral

Aline Mansueto Mourão  , Stela Maris Aguiar Lemos , Erica Oliveira Almeida , Laélia Cristina Caseiro Vicente, Antonio Lúcio Teixeira

cropped-logo-a_disfagia-brasil_300dpi11.jpg

RESUMO

Objetivo:

Verificar a frequência de disfagia em pacientes acometidos por acidente vascular cerebral (AVC) e investigar possíveis fatores sociodemográficos e clínicos associados.

Método:

Trata-se de estudo descritivo do tipo transversal em que foram avaliados 100 pacientes admitidos com o diagnóstico de AVC no Hospital Público Regional de Minas Gerais. Dados sociodemográficos e clínicos foram obtidos, e os pacientes, submetidos à avaliação clínica da deglutição por meio da escala Gugging Swallowing Screen (GUSS).

Resultados:

A frequência da disfagia foi de 50%, sendo que a maioria dos pacientes apresentou alteração grave da deglutição. Apenas história pregressa de AVC mostrou associação com disfagia (p=0,02). Outras variáveis sociodemográficas e clínicas não se associaram com disfagia, indicando que a localização e a fisiopatologia do AVC não influenciaram sua ocorrência e gravidade.

Conclusão:

A frequência de disfagia após o AVC é elevada, sendo o histórico de AVC importante fator de risco.

LEIA O ARTIGO NA ÍNTEGRA

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s