Arquivo da categoria: Cerebral Palsy

O uso da bandagem elástica Kinesio no controle da sialorréia em crianças com paralisia cerebral

Mariana de Oliveira Ribeiro1; Renata de Oliveira Rahal1; Andréa Siqueira Kokanj; Daniela Pimenta Bittar

Acta Fisiatrica; Dezembro 2009 – Volume 16 – Número 4

image

Resumo
OBJETIVO: Verificar a eficiência da bandagem elástica Kinesio no controle de deglutição de saliva em crianças com paralisia cerebral.
MATERIAL E MÉTODO: A pesquisa foi realizada no Setor Escolar da Associação de Assistência à Criança Deficiente (AACD). Participaram 42 crianças com idades entre 4 e 15 anos (média = 8 anos e 9 meses), de ambos os sexos, com diagnóstico de paralisia cerebral e queixa de sialorréia. Foi realizado um checklist com os pais da criança com perguntas referentes a sialorréia e posteriormente realizadas duas escalas para pontuação da freqüência e da gravidade dessa. Foram realizadas oito aplicações da Kinesio Tape na musculatura supra-hióidea e então, o checklist e as escalas foram reaplicados.
RESULTADOS: Verificou-se que houve redução estatisticamente significante nos parâmetros utilizados para verificação da sialorréia, sendo eles: número de toalhas utilizadas por dia para secar a baba, pontuação na escala de freqüência e pontuação na escala de gravidade da sialorréia.
CONCLUSÃO: Conclui-se que o método Kinesio Taping é eficaz na melhora do controle de deglutição de saliva em crianças com Paralisia Cerebral.

LEIA O ARTIGO NA ÍNTEGRA

 

Anúncios

Indicadores da evolução do paciente com paralisia cerebral e disfagia orofaríngea após intervenção terapêutica

Carolina Castelli Silvério; Cristiane Soares Henrique

Rev. soc. bras. fonoaudiol. vol.14 no.3 São Paulo  2009

RESUMO

OBJETIVO: Verificar a evolução na função de alimentação e estabilidade clínica de crianças com paralisia cerebral tetraparética espástica após intervenção terapêutica.
MÉTODOS: Foram levantados em prontuário médico, antes e após a terapia, os dados de classificação da funcionalidade da alimentação (escala FOIS) e grau de disfagia, consistências alimentares e sinais sugestivos de penetração e/ou aspiração laringotraqueal de 36 crianças com paralisia cerebral espástica.
RESULTADOS: A maioria dos sujeitos alimentava-se com preparo especial, antes e após a intervenção, ocorrendo restrição de sólidos e líquidos no segundo momento. Houve diminuição da severidade da disfagia, redução de broncopneumonias e hipersecretividade pulmonar, aumento do peso e diminuição dos sinais sugestivos de penetração e/ou aspiração laringotraqueal, exceto recusa alimentar e cianose.
CONCLUSÃO: A intervenção fonoaudiológica, em conjunto com a equipe multidisciplinar em disfagia, promove maior funcionalidade da deglutição e diminuição dos sinais sugestivos de penetração e/ou aspiração traqueal, além de maior estabilidade clínica.

Descritores: Paralisia cerebral; Transtornos de deglutição; Fonoterapia; Pneumonia; Alimentação

LEIA O ARTIGO NA ÍNTEGRA

 
 

Clinical practice: swallowing problems in cerebral palsy.

Erasmus CE; van Hulst K; Rotteveel JJ; Willemsen MA; Jongerius PH

Eur J Pediatr; 171(3): 409-14, 2012 Mar.

Cerebral palsy (CP) is the most common physical disability in early childhood. The worldwide prevalence of CP is approximately 2-2.5 per 1,000 live births. It has been clinically defined as a group of motor, cognitive, and perceptive impairments secondary to a non-progressive defect or lesion of the developing brain. Children with CP can have swallowing problems with severe drooling as one of the consequences. Malnutrition and recurrent aspiration pneumonia can increase the risk of morbidity and mortality. Early attention should be given to dysphagia and excessive drooling and their substantial contribution to the burden of a child with CP and his/her family. This review displays the important functional and anatomical issues related to swallowing problems in children with CP based on relevant literature and expert opinion. Furthermore, based on our experience, we describe a plan for approach of investigation and treatment of swallowing problems in cerebral palsy.

ACESSE O PERIÓDICO

Clinical and instrumental swallowing evaluation in children with cerebral palsy

Moisés Andrade dos Santos de Queiroz; Izabella Santos Nogueira de Andrade; Renata Cavalcante Barbosa Haguette; Erik Frota Haguette

Rev. soc. bras. fonoaudiol. vol.16 no.2 São Paulo abr./jun. 2011

PURPOSE: To investigate the main manifestations of dysphagia in clinical and instrumental evaluation of swallowing in children with cerebral palsy. METHODS: Cross-sectional study of 50 children with cerebral palsy. The data collection consisted of clinical speech-language pathology evaluation and fiberoptic endoscopic evaluation of swallowing for the detection of the main manifestations of dysphagia present in oral preparatory, oral and pharyngeal phases of swallowing, with different food consistencies and types of cerebral palsy. RESULTS: There was no significant influence of age and type of cerebral palsy over the presence of dysphagia manifestations. The main manifestations in the clinical evaluation were: anterior premature spillage for liquids (70%); cough during swallowing of liquids (60%); decreased solid bolus formation (57.9%); presence of food residues on the oral cavity after deglutition of solids (47.4%); extended oral transit of thick food (47.1%); and presence of wet voice after swallowing of liquids (30%). The main manifestations of dysphagia in instrumental evaluation were: extended pharyngeal transit of thick food (79%); posterior premature spillage for liquids (77.5%); presence of thick food residues on the pharyngeal cavity after swallowing (58.8%); laryngeal penetration for liquids (37.5%), and tracheal aspiration for liquids (20%). Laryngeal sensibility was altered in only 16% of the sample. CONCLUSION: Clinical and instrumental evaluations of swallowing are complementary and essential in the diagnosis of oropharyngeal dysphagia in children with cerebral palsy.

Palavras-chave : Deglutition; Cerebral palsy [complications]; Deglutition disorders [diagnosis]; Pharynx [physiopathology]; Child.

LEIA O ARTIGO NA ÍNTEGRA

Avaliação clínica e objetiva da deglutição em crianças com paralisia cerebral.

Moisés Andrade dos Santos de Queiroz, Izabella Santos Nogueira de Andrade, Renata Cavalcante Barbosa Haguette, Erik Frota Haguette

Rev Soc Bras Fonoaudiol. 2011;16(2):210-4

OBJETIVO: Investigar as principais manifestações disfágicas na avaliação clínica e objetiva da deglutição em crianças com paralisia cerebral. MÉTODOS: Estudo transversal com amostra de 50 crianças com paralisia cerebral. A coleta de dados consistiu na realização das avaliações clínica fonoaudiológica e videoendoscópica da deglutição para a detecção das principais manifestações disfágicas presentes nas fases preparatória oral, oral e faríngea da deglutição, em diferentes consistências alimentares e tipos de paralisia cerebral. RESULTADOS: Não houve influência significativa da idade e do tipo de paralisia cerebral sobre a maior presença de manifestações disfágicas. As principais manifestações disfágicas na avaliação clínica foram: escape anterior de líquidos (70%); tosse na deglutição de líquidos (60%); diminuição da formação do bolo alimentar sólido (57,9%); presença de resíduos alimentares na cavidade oral após a deglutição de sólidos (47,4%); aumento do trânsito oral de pastosos grossos (47,1%) e presença da voz molhada após a deglutição de líquidos (30%). As principais manifestações disfágicas na avaliação objetiva foram: aumento do trânsito faríngeo de pastosos grossos (79%); escape posterior de líquidos (77,5%); presença de resíduos alimentares nas estruturas faríngeas após a deglutição de pastosos grossos (58,8%); penetração laríngea de líquidos (37,5%) e aspiração traqueal de líquidos (20%). A sensibilidade laríngea esteve alterada em apenas 16% da amostra. CONCLUSÃO: As avaliações clínica e objetiva da deglutição são complementares e essenciais no diagnóstico das disfagias orofaríngeas em crianças com paralisia cerebral.

Palavras-chave : Deglutição; Paralisia cerebral [complicações]; Transtornos da deglutição [diagnóstico]; Faringe [fisiopatologia]; Criança.

LEIA O ARTIGO NA ÍNTEGRA

O uso da ausculta cervical na inferência de aspiração traqueal em crianças com paralisia cerebral

Furkim, Ana Maria; Duarte, Silvana Triló; Sacco, Andrea de Freitas Baldi; Sória, Franciele Savaris
Rev. CEFAC 11(4): 624-629, TAB. 2009 Dec.

RESUMO

OBJETIVO: comparar a detectabilidade da ausculta cervical na avaliação clínica com a comprovação da aspiração na videofluoroscopia da deglutição em crianças com paralisia cerebral tetraparética espástica com disfagia orofaríngea.
MÉTODOS: estudo retrospectivo com análise de 101 prontuários de crianças, na faixa etária de 1 a 12 anos, pertencentes a uma instituição, com diagnóstico de paralisia cerebral tetraparética espástica e que foram encaminhadas e avaliadas por equipe interdisciplinar. Foi realizada anamnese com avaliação clínica da alimentação com ausculta cervical e videofluoroscopia da deglutição.
RESULTADOS: os resultados estatísticos mostraram que há relação significante entre a ausculta cervical positiva e a penetração ou aspiração laríngea constatada na videofluoroscopia da deglutição e que a ausculta cervical negativa está mais associada à não penetração/aspiração.
CONCLUSÃO: concluiu-se que a ausculta cervical pode ser utilizada para inferência do risco de aspiração e, portanto, como alerta para atuação precoce nessa população, além da vantagem de ser um método não invasivo.

Descritores: Transtornos de Deglutição; Paralisia Cerebral; Fluoroscopia; Pneumonia Aspirativa

LEIA O ARTIGO NA ÍNTEGRA

Reabilitação da disfagia orofaríngea em crianças com paralisia cerebral: uma revisão sistemática da abordagem fonoaudiológica

Hirata, Gisela Carmona; Santos, Rosane Sampaio
Int. arch. otorhinolaryngol. (Impr.); 16(3): 396-399, jul.-set. 2012. tab.
INTRODUÇÃO: Estima-se 30.000 a 40.000 novos casos de paralisia cerebral, por ano, no Brasil. Os transtornos motores causados pela paralisia cerebral podem acarretar alterações na deglutição uma vez que alteram as fases preparatória, oral, faríngea e esofágica. OBJETIVO: Identificar os métodos de reabilitação existentes, na área da disfagia, nos casos de paralisia cerebral, com ênfase na busca por pesquisas que utilizaram os métodos neuroevolutivo Bobath, método Rodolfo Castillo Morales, terapia sensório motora orofacial e educação continuada. SÍNTESE DOS DADOS: Foi realizada uma revisão sistemática da literatura médica e fonoaudiológica sobre a reabilitação da disfagia orofaríngea em crianças com paralisia cerebral, abrangendo o período de 1977 a 2010, sem exclusão por língua ou nacionalidade. Dentre os 310 artigos encontrados, apenas 22 (7,09%) abordavam a atuação fonoaudiológica nas disfagias orofaríngeas em crianças com paralisia cerebral. Das 22 pesquisas encontradas 12 (54,5%) são do Canadá, 3 (13,6%) do Japão, 2 (9%) do Brasil, 2 (9%) da Alemanha, 1 (4,5%) dos EUA, 1 (4,5%) do Reino Unido e 1 (4,5%) da Polônia. 63,6% utilizaram a terapia sensório motora orofacial como método terapêutico, 36,3% mencionaram a educação continuada como forma de abordagem terapêutica, e apenas 18,1% e 9% utilizaram o método Bobath e o método Rodolfo Castillo Morales, respectivamente. CONCLUSÃO: Mesmo com uma população de portadores de paralisia cerebral aumentando constantemente ainda são poucas as pesquisas que englobam a (re)habilitação destas crianças no que diz respeito aos tratamentos das disfagias orofaríngeas.(AU)