Arquivo da categoria: Neonatology/ Pediatrics

Impact of feeding strategies on the frequency and clearance of acid and nonacid gastroesophageal reflux events in dysphagic neonates

Jadcherla SR; Chan CY; Moore R; Malkar M; Timan CJ; Valentine CJ

JPEN J Parenter Enteral Nutr;36(4):449-55, 2012 Jul.

BACKGROUND: Feeding difficulties and gastroesophageal reflux (GER) are common problems in neonates. The authors hypothesize that GER could be influenced by feeding mechanics by evaluating the effects of feeding volumes, feeding durations, feeding flow rates, and caloric density on the chemical composition and clearance of GER in dysphagic neonates. METHODS: Symptomatic dysphagic neonates (n = 35) underwent evaluation for suspected GER using pH-impedance methods. RESULTS: The proportions of acid and nonacid GER were different during the first, second, and third postprandial hours (P < .0001). Prolonged feeding duration was significantly associated with decreased total, nonacid GER and BCT (P < .03). Significant positive correlations (P < .05) were detected between feeding flow rate vs frequency of total, nonacid GER and BCT. Significant positive correlation (P = .002) was noted between feeding volume and BCT. BCT decreased with each hourly interval (analysis of variance [ANOVA] P < .05); however, ACT increased with each hourly interval (ANOVA P = .05). Comparison between BCT and ACT at each postprandial hour is remarkable for longer ACT during the second and third hours after the initiation of feed (P ≤ .001). No significant correlation was noted between the milk types (breast milk or formula) or caloric density with regard to the GER characteristics. Oral-fed infants had more GER events than gavage-fed infants. CONCLUSIONS: Prolonged feeding durations and slower flow rates are associated with decreased frequency of GER. Modification of feeding duration and flow rate can be a useful adjunct to ameliorate GER in dysphagic neonates.

LEIA O ARTIGO NA ÍNTEGRA

Anúncios

Avaliaçäo funcional da disfagia de lactentes em UTI neonatal

Botelho, Maria Izabel Martins Redondo; Silva, Ariovaldo Armando da.

Rev. Assoc. Med. Bras. (1992);49(3):278-285, jul.-set. 2003.

ABSTRACT

OBJETIVOS: Os objetivos deste trabalho foram: 1) detectar os critérios clínicos na avaliaçäo da disfagia em lactentes sindrômicos e patológicos; 2) testar a hipótese de associaçäo entre achados funcionais e/ou videoendoscópicos; 3) mostrar a importância da atuaçäo conjunta entre o fonoaudiólogo e o médico otorrinolaringologista na avaliaçäo da disfagia nesses lactentes. MÉTODOS: A amostra foi composta por 15 lactentes nascidos no Hospital Maternidade de Campinas (SP), para os quais houve solicitaçäo de uma avaliaçäo fonoaudiológica por parte do médico neonatologista responsável. Todos os lactentes foram avaliados uma vez pelo mesmo fonoaudiólogo e pelo mesmo médico otorrinolaringologista. A avaliaçäo funcional da deglutiçäo observou: a) a sensibilidade táctil extra-oral, b) a sensibilidade táctil intra-oral, c) o reflexo nauseoso e d) a movimentaçäo dos bucinadores. A avaliaçäo da deglutiçäo videoendoscópica analisou: a) sensibilidade na cartilagem aritenóidea, b) o choro, c) a aspiraçäo, d) a queda de saturaçäo, e) a penetraçäo. Utilizou-se o teste exato de Fisher para pequenas amostras e cada hipótese foi testada com nível de significância de 0,05. RESULTADOS: Observou-se que existe uma relaçäo de dependência estatisticamente significativa entre as variáveis: 1) aspiraçäo após fase faríngea e a penetraçäo (alta e baixa) e 2) sensibilidade extra-oral nas bochechas e a sensibilidade na cartilagem aritenóidea. CONCLUSÕES: Este último resultado mostra a associaçäo entre um achado funcional obtido pelo fonoaudiólogo e um achado videoendoscópico do médico otorrinolaringologista, o que evidencia a importância do trabalho conjunto desses dois profissionais da saúde.

ACESSE O PERIÓDICO

Avaliação polissonográfica e de videoendoscopia da deglutição de pacientes portadores da seqüência de Pierre-Robin

Pinheiro Neto, Carlos Diógenes; Alonso, Nivaldo; Sennes, Luis Ubirajara; Goldenberg, Dov Charles.

Rev. Soc. Bras. Cir. Craniomaxilofac; 11(3,supl): 29-29, jun. 2008.

esumo

Introdução: A seqüência de Pierre Robin (PR) é caracterizada por micrognatia, glossoptose e fenda palatina. Pode ser associada a uma síndrome genética ou ocorrer de forma isolada, sendo esta última a forma mais comum de apresentação. A fenda palatina pode estar ausente em alguns casos. Clinicamente, o paciente apresenta dificuldade respiratória e alimentar. A gravidade dos sintomas apresenta grande heterogeneidade, o que torna o tratamento destes pacientes um desafio. Objetivos: Identificar a presença de apnéia-hipopnéia obstrutiva do sono e avaliar a gravidade das alterações da deglutição de pacientes portadores da seqüência de PR foram avaliadas pelo grupo de Cirurgia Craniomaxilofacial do HC-FMUSP, entre janeiro de 2006 e abril de 2008. Seis crianças eram do sexo feminino. A videoendoscopia de deglutição (VED) foi realizada em todas as crianças, enquanto a polissonografia (PSG) foi realizada em sete dos oito crianças acompanhadas. Resultados: Seis pacientes apresentaram PSG normal e apenas 1 paciente apresentou apnéia-hipopnéia leve de origem central ao exame polissonográfico. Um dos pacientes foi submetido a traqueostomia aos quatro dias de vida por insuficiência respiratória e não foi realizado PSG pré-operatória. A VED mostrou-se normal em cinco pacientes e disfagia moderada foi detectada em três pacientes, sendo submetidos a gastronomia. A distração da mandíbula foi realizada em quatro pacientes que também foram submetidos a traqueostomia no mesmo tempo cirúrgico. Todos pacientes apresentavam fenda palatina…

Assuntos

Humanos Endoscopia Transtornos de Deglutição/ultrassonografia Síndrome de Pierre Robin/ultrassonografia PolissonografiaGastrostomia Fissura Palatina

ACESSE O PERIÓDICO

Characterization of the transition technique from enteral tube feeding to breastfeeding in preterm newborns

Andréa Monteiro Correia Medeiros, et al.

J. Soc. Bras. Fonoaudiol. [online]. 2011, vol.23, n.1, pp. 57-65.

PURPOSE: To verify the corrected gestational age when oral feeding (breast half full) and exclusive breastfeeding were initiated in preterm newborns submitted to the transition technique from enteral feeding directly to breastfeeding, and time spent (in days) under speech-language pathology intervention until discharge. METHODS: Study participants were 35 preterm infants (PTI) divided into two groups. Group 1 (G1) was composed by 22 PTI who did not present any important medical complications during hospitalization, and Group 2 (G2) comprised 13 PTI with a history of major medical complications. The following data were recorded: gestational age at birth, birth weight, weight and corrected gestational age during speech-language pathology evaluation, corrected gestational age when started oral feeding, number of days stimulated through the non-nutritive sucking (NNS) technique, corrected gestational age when oral feeding started and when they were discharged from speech-language pathology intervention, and total number of days under speech-language pathology intervention. RESULTS: No differences were found between the groups (G1 and G2) for any of the analyzed parameters. In general, oral feeding started with an average of 36 weeks corrected gestational age. Exclusive oral feeding occurred with an average of 36.6 weeks corrected gestational age. In average, speech-language pathology intervention lasted 12.3 days, and the NNS technique in “gloved finger” or “empty breast” lasted an average of 4.54 days. CONCLUSION: The technique allowed the PTI to be discharged in exclusive breastfeeding at a corrected gestational age corresponding to that of healthy term newborns

Palavras-chave : Infant; premature; Enteral nutrition; Breastfeeding; Intensive care; neonatal; Gestational age.

LEIA O ARTIGO NA ÍNTEGRA

Caracterização da técnica de transição da alimentação por sonda enteral para seio materno em recém-nascidos prematuros

Andréa Monteiro Correia Medeiros, et al.

J. Soc. Bras. Fonoaudiol. [online]. 2011, vol.23, n.1, pp. 57-65.

OBJETIVO: Verificar a idade gestacional corrigida do início da dieta por via oral (mama parcialmente cheia) e da alimentação exclusiva em seio materno e o tempo dispendido (em dias) de atendimento fonoaudiológico para alta de recém-nascidos prematuros submetidos à técnica da transição da alimentação enteral direta para o seio materno. MÉTODOS: Fizeram parte do estudo 35 recém-nascidos prematuros (RNPT) divididos em dois grupos. O Grupo 1 (G1) foi composto por 22 RNPT que não apresentaram intercorrências médicas importantes durante a internação e o Grupo 2 (G2) por 13 RNPT com histórico de intercorrências médicas importantes. Foram registrados os seguintes dados: idade gestacional ao nascimento, peso ao nascimento, peso do recém-nascido e idade gestacional corrigida durante avaliação fonoaudiológica, idade gestacional corrigida no momento do início da alimentação por via oral, número de dias em que o recém-nascido realizou a técnica de sucção não nutritiva, idade gestacional corrigida no momento do início da alimentação por via oral exclusiva e da alta fonoaudiológica, e o número total de dias de atendimento fonoaudiológico. RESULTADOS: Não houve diferença entre os grupos (G1 e G2) para nenhum dos parâmetros analisados. De maneira geral, o início da oferta por via oral ocorreu com média de idade gestacional corrigida de 36 semanas. A alimentação por via oral exclusiva ocorreu com média de 36,6 semanas de idade gestacional corrigida. A média de dias de atendimento fonoaudiológico total foi de 12,3, sendo que o treino de sucção não nutritiva (SNN) em “dedo enluvado” ou “mama vazia” durou em média 4,54 dias. CONCLUSÃO: A técnica possibilitou a alta hospitalar do recém-nascido prematuro com alimentação exclusiva em seio materno em idade gestacional corrigida correspondente a do recém-nascido termo e saudável

Palavras-chave : Prematuro; Nutrição enteral; Aleitamento materno; Terapia intensiva neonatal; Idade gestacional.

LEIA O ARTIGO NA ÍNTEGRA

Staff workload and adverse events during mechanical ventilation in neonatal intensive care units

Lamy Filho, Fernando et al.

J. Pediatr. (Rio J.) [online]. 2011, vol.87, n.6, pp. 487-492.

OBJECTIVE: To investigate a possible association between the intensity of staff workload and intermediate adverse events, such as accidental extubation, obstruction of the endotracheal tube, and accidental disconnection of the ventilator circuit, during neonatal mechanical ventilation in high-risk neonatal units. METHOD: This prospective cohort study analyzed data of 543 newborns from public neonatal intensive care units (NICUs) in the city of São Luís, state of Maranhão, Northeastern Brazil, for 6 months, during which 136 newborns were submitted to mechanical ventilation in 1,108 shifts and were observed a total of 4,554 times. RESULTS: Adverse events occurred 117 times during this period. The associations between workload and adverse events were analyzed by means of generalized estimating equations. The adjustment variables were: birth weight, gender, maternity unit, Clinical Risk Index for Babies score, and care demand, the latter measured by the Northern Neonatal Network Scale. The larger the number of newborns classified by care demand (NCCD) per nurse and nursing technician, the more likely the occurrence of intermediate adverse events linked to mechanical ventilation. A number of NCCD > 22 per nurse (relative risk [RR] = 2.86) and > 4.8 per auxiliary nurse (RR = 3.41) was associated with a higher prevalence of intermediate adverse events. CONCLUSIONS: The workload of NICU professionals seems to interfere with the intermediate results of neonatal care and thus should be taken into consideration when evaluating NICU outcomes.

Palavras-chave : Neonatal intensive care; workload; artificial ventilation.

LEIA O ARTIGO NA ÍNTEGRA

Carga de trabalho de profissionais da saúde e eventos adversos durante ventilação mecânica em unidades de terapia intensiva neonatal

Lamy Filho, Fernando et al.

J. Pediatr. (Rio J.) [online]. 2011, vol.87, n.6, pp. 487-492.

OBJETIVO: Investigar uma possível associação entre a carga de trabalho de profissionais da saúde e eventos adversos intermediários, tais como extubação acidental, obstrução do tubo endotraqueal e desconexão acidental do circuito do ventilador, durante ventilação mecânica neonatal em unidades neonatais de alto risco. MÉTODO: Este estudo de coorte prospectiva analisou os dados referentes a 543 recém-nascidos de unidades de terapia intensiva neonatal (UTINs) de São Luís (MA) por 6 meses, durante os quais 136 recém-nascidos foram submetidos a ventilação mecânica em 1.108 turnos e foram observados 4.554 vezes. RESULTADOS: Ocorreram eventos adversos 117 vezes durante esse período. As associações entre carga de trabalho e eventos adversos foram analisadas por meio de equações de estimação generalizada. As variáveis de ajuste foram: peso de nascimento, gênero, maternidade estudada, pontuação no índice de risco clínico para bebês (clinical risk index for babies) e demanda de cuidados, determinada pela escala desenvolvida pela Northern Neonatal Network. Quanto maior o número de recém-nascidos classificados de acordo com a demanda de cuidados (RCDCs) por enfermeiro e técnico em enfermagem, maior a probabilidade da ocorrência de eventos adversos intermediários relacionados à ventilação mecânica. Um número de RCDCs > 22 por enfermeiro [risco relativo (RR) = 2,86] e > 4,8 por enfermeiro auxiliar (RR = 3,41) esteve associado a uma maior prevalência de eventos adversos intermediários. CONCLUSÕES: A carga de trabalho dos profissionais de UTINs parece interferir nos resultados intermediários do cuidado neonatal e, portanto, deve ser levada em conta na avaliação dos desfechos na UTIN.

Palavras-chave : Terapia intensiva neonatal; carga de trabalho; ventilação artificial.

LEIA O ARTIGO NA ÍNTEGRA