Arquivo da categoria: Traumatic Brain Injury

Intubação orotraqueal e disfagia: comparação entre pacientes com e sem dano cerebral

Padovani, Aline Rodrigues; Moraes, Danielle Pedroni; Medeiros, Gisele Chagas de; Almeida, Tatiana Magalhães de; Andrade, Claudia Regina Furquim de.

Einstein (Säo Paulo); 6(3): 343-349, 2008.

Resumo

Objetivos: Comparar as habilidades de deglutição e alimentação entre pacientes extubados, com e sem dano cerebral. Métodos: Estudo etrospectivo, que incluiu 44 pacientes de 20 a 50 anos, submetidos à intubação orotraqueal (IOT) prolongada (> 48 horas). Foram analisados dois grupos, sendo o Grupo 1 composto por pacientes sem traumatismo crânio-encefálico (TCE) e o Grupo 2 de pacientes com TCE. Para a comparação, foram utilizadas duas escalas que caracterizaram as habilidades funcionais de deglutição e alimentação. Avaliou-se também o nível de alerta, consciência e colaboração dos pacientes. Rresultados: Os grupos apresentaram-se equiparáveis quanto à idade, número e tempo de intubação e de extubação na data da avaliação. Em relação ao diagnóstico fonoaudiológico, o Grupo 1 apresentou maior porcentagem de deglutição funcional e disfagia leve, enquanto o Grupo 2 apresentou maior concentração das disfagias de grau moderado a grave e de grau grave. A média observada na Escala Funcional de Ingestão Oral na data da avaliação foi maior no Grupo 1. Além disso, o grupo de lesados cerebrais apresentou-se mais sonolento, menos contactuante e menos colaborativo na primeira avaliação. Cconclusões: Neste estudo, os pacientes submetidos à IOT prolongada apresentaram disfagia em diferentes graus, porém os pacientes com dano cerebral tiveram maior freqüência e gravidade deste distúrbio. Desta forma, concluímos que a IOT não pode ser considerada como fator causador da disfagia isoladamente, principalmente nos pacientes neurológicos. Além disso, observou-se que alguns fatores cognitivos podem influenciar a possibilidade de ofertar dieta por via oral.(AU)

Anúncios

A influência da traqueostomia precoce no desmame ventilatório de pacientes com traumatismo craniencefálico grave

PASINI, Renata Lenize; FERNANDES, Yvens Barbosa; ARAUJO, Sebastião e  SOARES, Silvia Maria de Toledo Piza.

Rev. bras. ter. intensiva [online]. 2007, vol.19, n.2, pp. 176-181.

JUSTIFICATIVA E OBJETIVOS: Atualmente, ainda é questionável se a traqueostomia precoce (TP) pode influenciar no desmame ventilatório ou no tempo de internação hospitalar de pacientes com traumatismo cranioencefálico (TCE). O objetivo primário deste estudo foi verificar se a TP influencia o tempo de ventilação mecânica (VM) em pacientes com TCE grave. MÉTODO: Estudo prospectivo, observacional, incluindo 33 pacientes com pontuação admissional na escala de coma de Glasgow (ECG) < 10, analisados segundo o momento de realização traqueostomia, após a intubação traqueal (precoce: t < 6 dias; intermediária: t = 7 a 11 dias; tardia: t > 12 dias) e o desmame ventilatório. RESULTADOS: O tempo total de VM foi menor no grupo TP (n = 10; p < 0,0001). No grupo TP, a menor pontuação na ECG (média de 5,3 ± 2,5) esteve negativamente correlacionada com o tempo de internação hospitalar (p = 0,02). CONCLUSÕES: A traqueostomia precoce pode reduzir os tempos de ventilação mecânica, mas não influencia o tempo de internação hospitalar em pacientes com traumatismo cranioencefálico grave.

Palavras-chave : desmame; traqueostomia; traumatismo cranioencefálico; ventilação mecânica.

LEIA O ARTIGO NA ÍNTEGRA

Effectiveness of chin-down posture to prevent tracheal aspiration in dysphagia secondary to acquired brain injury. A videofluoroscopy study.

Terré R, Mearin F.

Neurogastroenterol Motil. 2012 May;24(5):414-9, e206. doi: 10.1111/j.1365-2982.2011.01869.x. Epub 2012 Feb 6.

Abstract

BACKGROUND:

The chin-down posture is generally recommended in patients with neurogenic dysphagia to prevent tracheal aspiration; however, its effectiveness has not been demonstrated.

AIM:

To videofluoroscopically (VDF) assess the effectiveness of chin-down posture to prevent aspiration in patients with neurogenic dysphagia secondary to acquired brain injury.

METHODS:

Randomized, alternating, cross-over study (with and without the chin-down posture) in 47 patients with a VDF diagnosis of aspiration [31 stroke, 16 traumatic brain injury (TBI)] and 25 controls without aspiration (14 stroke, 11 TBI). Key

RESULTS:

During the chin-down posture, 55% of patients avoided aspiration (40% preswallow aspiration and 60% aspiration during swallow). The percentage was similar in both etiologies (58% stroke and 50% TBI). Fifty-one percent of patients had silent aspiration; of these, 48% persisted with aspiration while in the chin-down posture. A statistically significant relationship was found between the existence of pharyngeal residue, cricopharyngeal dysfunction, pharyngeal delay time and bolus volume with the persistence of aspiration. The chin-down posture did not change swallow biomechanics in patients without aspiration.

CONCLUSIONS & INFERENCES:

Only half the patients with acquired brain injury avoided aspiration during cervical flexion; 48% of silent aspirators continued to aspire during the maneuver. Several videofluoroscopic parameters were related to inefficiency of the maneuver. Therefore, the indication for chin-down posture should be evaluated by videofluoroscopic examination.

© 2012 Blackwell Publishing Ltd.

ACESSE O PERIÓDICO

The Science of Concussion and Brain Injury

How medicine, sports and society are trying to heal and protect the brains of millions amidst the growing awareness of the long-lasting effects of traumatic head injury

Concussion, the most common among traumatic brain injuries, which occurs 1.7 million times a year in the U.S., represents a major public-health problem. It occurs when there is a sudden acceleration or deceleration of the head, a process depicted here in this animation.

A blow can produce a brief loss of consciousness, headaches and impaired cognition, among other symptoms. Symptoms can last for days or sometimes longer. And a person who experience one risks another and may find recovery takes longer.

http://www.scientificamerican.com/article.cfm?id=brain-trauma-what-happens-brain-hits-skull